Dia Nacional do Retinoblastoma mobiliza Belo Horizonte

Abraço Escuro reunirá pessoas hoje às 19h na Praça da Liberdade

Fundação Sara Albuquerque Costa, que assiste crianças e adolescentes com câncer, fez parceria com a TUCCA – Associação para Crianças e Adolescentes com Câncer, e promove o Abraço Escuro, hoje, a partir das 19h, na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte.
A ação faz parte da programação do Dia Nacional do Retinoblastoma, câncer no olho, comemorado amanhã, 18 de setembro, cujo objetivo é de conscientizar a população sobre o problema e mudar a realidade da doença. “No Brasil, são cerca de 400 novas ocorrências de retinoblastoma por ano, sendo que 40% delas são de origem hereditária. Estimativas apontam que 50% dos casos no país ainda são identificados tardiamente, reduzindo a probabilidade de cura”, divulga a TUCCA.
Como foi com nosso pequeno Arthur Fernandes Maurício Vieira, de 6 anos. Devido ao retinoblastoma, nosso pequenino guerreiro perdeu a visão e todos os dias vive uma história de superação. A mãe, Daniela Fernandes, também enfrentou a mesma doença, foi diagnosticada com um ano e meio de idade. Desde que Arthur nasceu, sempre observava o filho, quando aos 11 meses percebeu uma mancha em seu olho e ao levar ao oftalmologista, foi diagnosticado o retinoblastoma no olho direito. Arthur foi tratado em Belo Horizonte, ficou durante seis meses fazendo quimioterapia. Em dezembro de 2008, quase um ano depois do diagnóstico, foi necessário retirar o olho direito. E em 2009 foi diagnosticada a doença no olho esquerdo. Como o tumor cresceu muito rápido, não foi possível evitar a retirada deste olho também. Graças a toda essa luta, nosso pequeno e talentoso Arthur foi declarado curado em 2011 e realiza controle oncológico, a cada 3 meses, na Santa Casa de Belo Horizonte.
O tratamento das crianças com retinoblastoma é multidisciplinar, envolvendo oftalmologista especialista em oncologia ocular, oncologista pediátrico, pediatra, anestesista, dentre outros, e requer aparelhagem específica. O Dr. Fábio Borges Nogueira, oftalmologista especialista em oncologia ocular, tratava pelo SUS essas crianças em Belo Horizonte mas, devido a uma série de dificuldades encontradas, teve que interromper esse atendimento. Por isso, hoje todo o tratamento oftalmológico dessas crianças tem que ser feito em São Paulo. O Dr. Fábio, entretanto, não desistiu de lutar pela criação de um serviço modelo em nossa cidade para a volta do atendimento pelo SUS, com a aparelhagem mais moderna que existe e uma equipe de profissionais qualificados, o que trará enormes benefícios para as crianças com retinoblastoma e suas respectivas famílias. Ele diz que espera anunciar, em breve, a realização desse sonho.

Como diagnosticar
Para evitar o agravamento da doença e garantir um diagnóstico precoce, os especialistas defendem que em todas as consultas regulares do pediatra deva ser feito o chamado teste do olhinho ou do reflexo vermelho, realizado com um aparelho conhecido como oftalmoscópio. “Se o pediatra notar um brilho anormal ou uma mancha branca na pupila, é necessário encaminhar, imediatamente, o paciente ao oftalmologista, que terá condições de fazer o diagnóstico preciso”, divulga a TUCCA. Caso o resultado indique a presença do tumor, a orientação é procurar um oncologista o quanto antes.
Outra maneira possível é que os pais podem fotografar seus filhos com flash e observar uma possível mancha brilhante no olho. Se isso ocorrer, também devem agendar uma visita a um oftalmologista para um exame clínico.

Compartilhe:

Data da publicação 17 de setembro de 2013

Fundação Sara promove abraço na Praça da Liberdade em BH
Anterior

Belo Horizonte adere à mobilização do Dia Nacional do Retinoblastoma
Proximo



Fique por dentro das novidades: