Mês de conscientização sobre os cuidados com a saúde mental

Janeiro é o mês dedicado à conscientização sobre os cuidados com a saúde mental.  No entanto, na Fundação Sara Albuquerque, esse cuidado acontece o ano inteiro por meio do programa De Bem com a Vida. O programa tem como objetivo minimizar os danos causados pelo câncer infantojuvenil. As ações acontecem por meio de atendimento psicológico, pedagógico e espiritual aos assistidos, pais e familiares envolvidos no processo.

Na entidade, todos os assistidos e acompanhantes têm à disposição atendimento individual, além de visita domiciliar e hospitalar e oficinas que ajudam a enfrentar os desafios diários. Segundo a psicóloga Laura cordeiro, o atendimento ao assistido acontece na maior parte das vezes com o acompanhante, na maioria das vezes pai ou mãe.

A descoberta da doença traz medos, inseguranças e sofrimento. Os pais têm papel fundamental no tratamento e na recuperação de seus filhos, sendo necessário o acompanhamento psicológico que, por sua vez, buscará minimizar os impactos emocionais, auxiliando os familiares nesse processo em que estão vivendo.

Valentine é assistida pela Fundação Sara desde dezembro de 2018; ela é de Salinas/MG e realiza seu tratamento em Montes Claros/MG.

Para Ana Paula Maria de Jesus, mãe da pequena Valentine, assistida da Fundação Sara, o apoio foi fundamental para atravessar junto com a filha os desafios da doença.

“Aqui o suporte é muito bom. Além da psicóloga, a gente encontra força nas outras mães que passam pelos mesmos desafios. Aqui a gente aprende a lidar com os problemas que a gente enfrenta e como suportar esse momento, que é tão difícil. ”

O acompanhamento oferecido aos pacientes, acompanhantes e familiares ajuda a reduzir o estigma da doença e auxilia a melhoria na qualidade de vida de cada um.

“O acompanhamento psicológico proporciona a compreensão dos sentimentos e comportamentos, sendo eles conscientes ou inconscientes, ajudando cada indivíduo a lidar com as barreiras e batalhas e a fortalecer o equilíbrio emocional”, ressalta a psicóloga.

Compartilhe: